Área Restrita
Portal

MedSys.Net
 Dúvidas?
Imprensa
Distribuição de remédios para artrite reumatoide

Jornal Vidaqui - Edição nª 364 - 05 a 10 de outubro de 2012

A artrite reumatóide (AR) é uma doença sistêmica inflamatória crônica, auto-imune  que acomete órgãos internos e articulações através da erosão do osso e cartilagem, levando a deformidade e à destruição das articulações em diferentes graus de deficiência, podendo comprometer os movimentos. A causa da doença é desconhecida e afeta duas vezes mais as mulheres do que homens. Os sintomas mais comuns são: rigidez matinal que regride durante o dia, mal-estar, diminuição do apetite, perda de peso, cansaço, febre baixa, inchaço nas juntas das mãos, punhos, joelhos e pés, evoluindo em deformação.

Atualmente, o SUS disponibiliza 10 medicamentos para o tratamento da doença, sendo que três são biológicos, medicamentos produzidos a partir de células vivas. São eles: adalimumabe, etanercepte e infliximabe que atendem cerca de 30 mil pessoas. Os medicamentos diminuem a atividade da doença, previnem a ocorrência de danos irreversíveis nas articulações, aliviam as dores e melhoram a qualidade de vida do paciente.

Embora ainda não se conheçam os recursos para a cura definitiva, a boa notícia é queo Ministério da saúde (MS) vai incorporar ao Sistema Único da Saúde (SUS) cinco novos medicamentos biológicos para o tratamento da artrite reumatoide: abatacepte, certolizumabe pegol, golimumabe, tocilizumabe e rituximabe. A incorporação amplia a oferta de tratamento para os pacientes que não respondem aos medicamentos convencionais ou que apresentam intolerância às demais terapias. Atualmente, o Ministério da Saúde gasta em média, R$ 25 mil por ano com cada paciente que utiliza medicamentos biológicos. Com esta inclusão, e mediante negociação com os laboratórios, o custo do tratamento por paciente poderá diminuir para até, R$ 13 mil por ano. O SUS tem o prazo de até 180 dias a partir da publicação da portaria, para efetivar a oferta dos medicamentos.


Publicado em: 23/10/2012 - Fonte: Enfª Luciana Scheffel, Auditoria Plasac Saúde